Surpresas urbanas

Silent sunset with trees

Silent sunset with trees - by Helena Pacitti

 

Cena 1: São 19 horas e um congestionamento monstruoso acontece em uma rodovia federal.Com as pistas todas paradas, apressadinhos vão pelo acostamento, exceto quando aparece algum carro enguiçado.

Trafego na pista de menor velocidade, o que não faz diferença alguma a essa hora. À direita,uma cena insólita: um carro enguiçado com o capô todo aberto e uns sacos plásticos mal ajeitados no porta-malas. Do lado de fora, os 3 ocupantes fazem um ‘lanchinho’ com biscoitos e refrigerantes, sentados no guard rail, enquanto aguardam socorro. A 10 metros da traseira, ao invés do triângulo de emergência para avisar do carro quebrado, postam-se dois manequins sem pernas, sem cabeças e sem braços; só os troncos, lado a lado.

Foi o improviso que fizeram. Dá certo. A 100 metros, ninguém ousa chegar perto daquela estranheza.

Decididamente, o brasileiro tem criatividade.

Cena 2: Caminhando na calçada de uma movimentada rua – paralela ao jardim municipal – noto, com a visão periférica, algo se mover acima da minha cabeça. Ergo os olhos e dou de cara com um rabicho bicolor que balança no fio elétrico entre os postes.

É um minúsculo miquinho preto que me acompanha com curiosidade. Assovio e ele move a cabecinha.Ando e ele anda. Paro e ele pára.

No lado oposto da rua reparo em outro miquinho, um pouco maior que o primeiro, parecendo manter a guarda do pequeno.Comentei mais tarde o fato com o Mario, que me explica: provavelmente os micos estavam morrendo de pena de mim –‘aquele bicho grande que só consegue andar com os pés no chão, sem nenhuma coordenação ou equilibrio.’

Cena 3:Estaciono o carro na rua, em local permitido, vou correndo a farmácia, pago com cartão, estou sem uma moeda. Volto rapidamente, que dia perfeito, nem flanelinha tem!

(“Flanelinha” é  giria carioca para guardadores de carro que zanzam na rua, que invariavelmente constrangem o motorista, isso quando não o extorquem)

Engano meu. Lá na frente o flanelinha aparece, vem correndo de chinelos, afobado, com a mão já estendida. Além de eu não ter moeda nem troco, vou ter que dizer isso a ele, sabe-se lá se vai me agredir?Pensei isso porque ando assustada.

‘Calma,‘- digo a mim mesma – ‘ele é feito você’.  Mas são tempos difíceis, onde se desconfia da própria sombra, e na cidade grande todo mundo já ganha um estereótipo negativo: ‘o flanelinha é mau, as motoristas são uma lástima, todos os mecânicos inventam serviço, os taxistas sempre te dão a volta.’

Bem, melhor ser eu mesma.Abro as janelas, sorrio como se fosse a um velho amigo e digo a verdade.Estou sem trocado e sem moedas. Posso ficar lhe devendo?

Ao contrário do que imagino, ele responde com um sorriso largo e, galante, me cumprimenta: “Não tem problema não, moça. Com esse seu sorriso já ganhei meu dia!”

Cena 4: Depois de muitos dias de intensa chuva o céu está completamente limpo, e ganha, ao pôr-do-sol, tons azuis espetaculares. Há um resto de luz rosada na paisagem, a noite vai engolindo o dia, vejo a silhueta escura de árvores enfileiradas no lusco-fusco, e aves grandes, como garças e gaivotas, sobrevoam um pequeno charco de praça.

Algumas estrelas já piscam, lá longe passa a linha do trem,vazia,quase não há barulho.

Registro a paisagem com a máquina fotográfica. Vão me perguntar de onde é essa cena paradisíaca, quem sabe uma fazenda ou um resort de férias. Vou responder, meio sem graça, que é a saída da refinaria de petróleo onde trabalho, região onde se localizam pelo menos 150 grandes empresas e indústrias do Grande Rio.

Pois quem diria. Em um lugar tão inóspito,a natureza ainda resiste e consegue, ao final de cada santo dia, apresentar um espetáculo de silêncio e paz.

Helena Beatriz Pacitti, 18/04/2010

Explore posts in the same categories: Uncategorized

4 Comentários em “Surpresas urbanas”

  1. mecenas Says:

    HP, aqui tambem tem muito miquinho andando nos fios de alta tensão em busca de comida. O interessante é que eles nem tão aí para eletricidade. Movimentam-se como equilibristas do Circo de Soleil. rsrs
    Não fique sem graça com sua foto, pois há sempre um encanto ao seu lado, sejá lá onde estivermos. O difícil é enxergar…e vc viu.
    bjos
    mms

  2. Eduardo Azevedo Says:

    Mas esse sorriso eh covardia…

  3. Gereneto Says:

    Olá, Helena!

    Eu li um texto seu no blog do Pavarini, e achei ótimo! Resolvi vir no seu blog e, após ler alguns textos, confirmei a impressão inicial. Deixo esse comentário aqui como um pequeno incentivo! Estarei sempre por aqui, lendo, embora raramente comente (essa foi uma exceção que se fez necessária! hauhauhua).

    Sinceramente,
    Geremias Neto


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: