A arte de desfazer nós

Na janela da varanda havia três cortinas de bambu, daquelas de enrolar e desenrolar.

Não sei por qual motivo,  se era o vento,  o balanço das cordinhas ou algum mistério não decifrado, fato é que sempre apareciam nós em toda a extensão dos puxadores.

Ao erguer as cortinas de manhã, sempre encontrava um novo nó. Caso estivesse retornando de viagem,  eram dezenas deles, muitas vezes superpostos.

Para desfazê-los tinha de lembrar coisas muito simples.  A primeira delas era nunca achar que seria impossível.  A segunda era: não se afobar.  Quem se afoba corta fio, não desmancha nó.  Era preciso ter paciência, muita paciência (quando estava muito ansiosa nem começava – deixava a tentativa para outro momento).

A terceira era perseverar, não me preocupando em desfazer todos os nós de uma só vez. Era preciso ser humilde e gastar mais de uma empreitada para desenrolar tudo.

Superadas essas fases eu  sentia o nó nas mãos.  Percebia o tamanho, a tensão da corda, a força do laço.  Depois, com as pontas dos dedos, beliscava o fio da corda, procurando onde pudesse ceder.  Coisa de se fazer aos poucos.

Essa coisa de nós enrolados me lembra, como sempre,  meu avô.  Já devo ter dito mais de uma vez que ele foi um dos meus melhores amigos, senao o melhor. Ele ouvia atentamente minhas dúvidas existenciais, draminhas e dramalhões.  Claro que eram perguntas sem respostas, eram os piores nós!

Tão mais fácil ele pegar a tesourinha das respostas prontas e cortar o negócio pela raiz, pronto.  Mas não.  Ele ouvia, ouvia, ponderava. Costumava também dar as mãos em silêncio.  Não tinha pressa alguma em desfazer o nó. Mas também não desistia dele (no caso, eu).

Por mais que a gente os evite, os nós vão e vêm.  Chega a ser em cima de nó. Alguém disse que ‘o inferno são os outros’; se me permitem, acredito que ‘os piores nós somos nós mesmos’.

Sem receita nem ciência.  Desfazer nó é arte.

HBP, 03/05/2012

Licença Creative Commons
This work by Helena Beatriz Pacitti is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License


Explore posts in the same categories: Lendo

One Comment em “A arte de desfazer nós”

  1. Claudia Chaves Says:

    Que graça de texto. Adoro desfazer nós, correntinhas, fios, tudo… nunca havia lido algo tão próximo do que sinto! Posso compartilhá-lo? Bj.
    Claudia Chaves


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: